Cada vez mais tem se discutido a importância do vínculo para o desenvolvimento infantil. Entre outros fatores, é ele que dá a base de suporte necessária para que a criança, ao se sentir segura e acolhida em suas necessidades, possa se desenvolver não apenas fisicamente, mas emocionalmente e do ponto de vista relacional. Isso terá impacto direto sobre o adulto que ela irá se tornar.
Mas como surge esse vínculo?
Para respoder a essa pergunta vou usar uma frase dita pela psicanalista Lia Rachel Colussi Cypel, num vídeo sobre o assunto:
“Todo vinculo é uma relação mas nem toda relação é um vinculo”.
Você já tinha parado para pensar sobre isso?
Ter um vínculo com alguém significa ter uma relação estável, significativa.
É preciso afeto, sintonia, disponibilidade (física e emocional) de ambos os lados no momento em que estão interagindo.
É algo que pode começar enquanto o bebê ainda está no útero (ou, para algumas pessoas, até antes, a partir do momento que os pais desejam aquela criança, antes mesmo da concepção). De qualquer forma é algo que se constrói e que fortalece com o tempo, a medida que se conhece cada vez mais o outro, a partir da observação e das vivências em comum.
Especialmente para um bebê pequeno muito desse elo se estabelece através do toque, do abraço, do beijo, do contato pele a pele, dos cuidados. São esses gestos que o fazem sentir-se seguro. Mas de modo geral é quando os pais (ou outro adulto de referência) são capazes de interpretar, compreender e responder com carinho e sensibilidade às necessidades da criança nas mais diversas fases, é que esse vínculo vai se formando.
Por isso, observe seu filho, procure conhecer seus gostos, seus limites.. esteja presente de corpo e alma enquanto estiver com ele, olhe em seus olhos, ouça o que ele tem a dizer (mesmo que ainda sejam só balbucios)… abrace e beije muito, faça carinho, acolha suas frustrações e ajude- o a passar por elas. Não é isso que o fará dependente de você, pelo contrário, é o que trará segurança de que ele pode se arriscar que sempre terá alguém para apoiá-lo. Enquanto é criança e a vida toda. E esse tipo de relação, de vínculo, não tem preço.
Share This

Gostou deste post?

Compartilhe!