Quando chega o começo de novembro eu já sinto uma  angustia:  minha cabeça já roda tentando achar solução para os dias que eu for trabalhar fora e o Rafa já estará de férias.  Surge uma mistura de sensações: por um lado ficamos felizes, por que lembramos das nossas férias, do quanto era bom não fazer nada, acordar mais tarde, brincar o dia todo e queremos que nossos filhos sintam isso também. Por outro lado vem o desespero, de o que fazer com as crianças neste período, especialmente se você tiver que continuar trabalhando “Como eu vou fazer? Com quem eles vão ficar? Como fazer para eles aproveitarem mesmo não podendo estar com eles a maior parte do tempo?”

 

Como ele vai para a escola desde os 5 meses e meio, e nunca tirei férias no mesmo período que ele (ou por causa do local onde eu trabalhava ou  porque agora, como sou autônoma, não consigo ficar sem trabalhar todo esse período), já tentei váááárias opções rsrs. E a cada ano uma se encaixa melhor que outra.

 

Aqui está uma lista de alternativas,  para todos os gostos e bolsos. Quem  sabe alguma delas se encaixa para o que você precisa …
 
1. casa dos avós: essa é, na grande maioria das vezes, a primeira opção! Eu lembro que eu ia para casa da minha avó em Campinas no primeiro dia de férias e só voltava um dia antes de começar as aulas, são minhas maiores lembranças da infância! Ficar com os avós tem muitos benefícios para as crianças, que vivenciam um cuidado diferente, aquele mimo, experiências novas, as vezes cidades diferentes e primos.  Mas, além disso, esses períodos trazem vantagens para os que cuidam também. Estudos comprovaram que ele se tornam mais ativos, diminui o risco de desenvolver Alzheimer e melhora os quadros depressivos, aumentando a sensação de significado na vida deles. E pode ser uma opção de baixo custo.
 
Veja aqui sobre os benefícios que cuidar dos netos traz para os avós:
 

Pesquisa científica aponta: cuidar dos netos ajuda a prevenir a demência

 
2. avós na sua casa: uma variação da casa dos avós, e traz suas vantagens. Primeiro que os custos na casa dos avós não aumenta (o que algumas vezes pode ser um fator a ser considerado ou até impeditivo), segundo que as crianças podem curtir a própria casa, já que com o tempo na escola e atividades extra curriculares eles podem não conseguir aproveitar tanto os seus brinquedos e o seu espaço, e por último, para os menorzinhos, a manutenção da rotina e de um ambiente familiar pode deixa-los mais tranquilos do que com todas as mudanças de horários e de ambientes.
 
3. babá ou ajuda doméstica: uma grande opção se você já tem pessoas que trabalhem na sua casa. É claro que depende do quanto você confia que ela será boa para cuidar do seu filho enquanto você estiver fora. Algumas vezes vocês podem fazer um acordo de alteração de dias ou horários para adequar ao que você precisa.
 
4. casa de amigos: esse as crianças adoram! Já ficam até perguntando que dia irão passar o dia nos amigos. Tente combinar com a mãe daquele amiguinho um dia que você precisa e, se possível, faça o mesmo por ela, afinal rede de apoio é fundamental!
 

5. co working entre amigas: se você e uma amiga trabalham de casa a junção é perfeita! Combinem de trabalhar em uma das casas, juntem as crianças, porque afinal, muitas vezes é mais fácil cuidar de uma do que de duas, e de brinde você ainda ganha alguns minutos de descontração, de bate papo e um cafezinho que vai te deixar mais produtiva, acredite. Eu e a Alê já estamos combinando os dias para juntar os meninos e conseguir continuar produzindo o material para o Tempo Mágico.
 
6. co working com espaço para crianças: aqui em São Paulo, pelo menos, já existem diversas casas em que você tem tanto um espaço para trabalhar quanto um para que seu filho possa ficar e brincar, com cuidadoras ou recreadores. Normalmente o valor é pago por hora utilizada, com um valor adicional para a criança.
 
7. cursos de férias: esses normalmente envolvem um custo maior mas é uma forma da criança aprender coisas novas, conhecer amigos e fazer atividades diferentes todos os dias. Esses cursos podem ser na escola, em casas de brincar ou até mesmo no clube que vocês são sócios.
 
8. recreação em casa: essa opção eu conheci há pouco tempo, algumas mães da sala do Rafa se juntaram e contrataram uma equipe de recreação que ia uma das casas, e as crianças se juntavam para brincar. Pode ou não haver revezamento do local e os horários são mais flexíveis.
 
 9. tias, tios, primos, vizinha: agora é a hora de usar e abusar de todas aquelas pessoas que te disseram assim: “quando precisar é só falar que eu fico com ele!” . Esse é o momento! (risos) Combine com antecedência, lembre -os uns dias antes para confirmar que poderão cuidar do seu filho e procure levar tudo o que as crianças podem precisar, porque as vezes são casas que não tem outros pequenos e isso deixa os cuidadores mais tranquilos. Um agradinho de agradecimento também vai bem 😉
 
10. e por último, quando nada der certo…. levá-los para o trabalho com você! Converse com o seu chefe antes ou com os responsáveis, vá preparada com atividades para eles fazerem (quebra cabeça, massinha que não gruda, papel e lápis de cor, e até mesmo celular e tablet, porque as vezes não tem jeito), vai ser uma experiência diferente para eles, pode requerer mais jogo de cintura seu, mas o que não tem remédio….
 
Aqui em casa, o que normalmente acontece é uma mistura de várias dessas opções. Estas férias, por exemplo, o Rafa vai ficar com a minha mãe, com a moça que trabalha aqui em casa, na casa de amigos, vou fazer um co working com a Alê e, mesmo com tudo isso, vai ter que trabalhar comigo alguns dias.  Ainda bem que tenho pacientes muito queridos que entendem e paparicam ele rsrs =)
 
Anote tudo em uma agenda, confirme antes, porque no final de ano os dias, horários, locais e nós mesmos ficamos mais confusos que nunca!
 
Tem mais alguma idéia de opção conte para gente nos comentários!

Share This

Gostou deste post?

Compartilhe!